Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

AS VIOLEIRAS DE 32.



As Violeiras de 32 (1954)




Viola Paulista
Letra e música de Mary Buarque.


“Dentro do meu coração
Eu guardo com todo orgulho
O nome de um Bandeirante,
E a data “Nove de Julho”!

Andorinha campineira
Que anda cortando o espaço,
Veja se me dá notícias
De um “capacete de aço”!

Você pensa que a saudade
 não dói no coração?
Queira bem a um bandeirante,
Diga lá se dói, ou não?

Em 1932, as Violeiras de 32 cantavam assim, incentivando os bravos soldados que partiam para as trincheiras. Em 1954, elas ainda continuavam cantando e acrescentaram mais uma quadrinha à musica:

“Neste “Quarto Centenário”,
A homenagem destas artistas:
cantando, vamos dar um “Viva”!
Dos nossos valentes paulistas!”




Não encontrei nenhuma referência a este grupo, “As Violeiras de 32”, mas pela fotografia percebe-se que eram garotas adolescentes. A música, possivelmente, pertencia ao ritmo sertanejo.
Esta é mais uma homenagem aos “Heróis Constitucionalistas de 32” por meio da música popular brasileira.

As imagem e a música foram publicadas no Jornal “A Gazeta” de 9 de julho de 1954, Edição Comemorativa. (Arquivo pessoal).

Imagem que acompanha o artigo no jornal, 1954.





Capa do jornal " A Gazeta", ilustração de Messias, 1954.






Mary Buarque, a autora da música.

Maria América Marcondes Buarque, mais conhecida como Mary Buarque, era filha de Manoel Ciridião Buarque e Brasília Marcondes Buarque.
Nasceu em São Paulo, SP em 3 de outubro de 1896 e faleceu no dia 18 de novembro de 1970, era solteira. Está sepultada junto ao Cemitério da Consolação, na Capital.
Foi uma das moças mais cultas de São Paulo, conforme pode-se ver em concurso instituído pela revista "A Cigarra", no ano de 1.922.
Além de educadora, Mary também foi escritora, compositora, pianista, violonista e cantora. Foi a primeira mulher a ter um programa de rádio. Junto com o pai, fundou a primeira escola Montessori no Brasil, casa da infância, moldada nos métodos de ensino observados nos Estados Unidos.
Empreendeu muito em favor da formação artística de suas alunas; dentre elas, achavam-se: Ângela Vampré, Helena Fogaça de Almeida, Aninha de Castro Godoy, Iracema Yasdick, Neyde de Souza, Cleo de Mesquita, Vera Caiuby, Ivette Carneiro Nogueira, Inezita Aranha de Lima, Catharina Goulart Pires, Myrtha Lucchesi, Heleninha Marques, Inezita Barroso e Lila Nobre.
Dentre suas composições estão: Hino da Juventude Brasileira, Viola Paulista, Serenata (com Martins Fontes), etc....



Fonte dos dados biográficos.


http://books.google.com.br




Editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.





Nenhum comentário:

Postar um comentário