Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

sábado, 12 de julho de 2014

2º Aniversário do Núcleo de Correspondência “Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna”.



O 10º Núcleo de Correspondência “Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna” completa oficialmente hoje, 12 de julho de 2014, o 2º ano de sua fundação. Foram publicadas 94 matérias em seu blog de relevante conteúdo para a história da Revolução Constitucionalista de 1932.
Nestes dois anos recebi diversas honrarias entre Medalhas e Diplomas. Recebi também o reconhecimento por parte da Prefeitura e da Câmara Municipal de Jaguariúna.
O blog do Núcleo de Correspondência “Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna” recebeu até o momento 15.000 visualizações de internautas do Brasil e de países como Estados Unidos, Alemanha, França, Rússia, México, Peru, Índia, China, Suécia, entre outros.
Em junho de 2013 foi criada uma página no Facebook que já alcança aproximadamente  300 curtidores e recebe visitas de internautas brasileiros, americanos, franceses, portugueses, filipinos. Já chegou a receber mais de 2000 visualizações em uma só postagem.
Agradeço ao Cel. Mário Fonseca Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, ao Prof. Jefferson Biajone, Presidente do 1º Núcleo de Correspondência “Paulistas de Itapetininga! Às Armas! ao Sr. Egydio João Tisiani, Conselheiro do Núcleo de Correspondência “Voluntários Paulistas de Piracicaba” e aos Irmãos de Armas, Presidentes dos demais Núcleos de Correspondência pelo incentivo e colaboração.
Agradeço também aos leitores, amigos e seguidores do Blog do 10º Núcleo de Correspondência de 32 de Jaguariúna. Espero poder continuar oferecendo minha contribuição para o engrandecimento e enriquecimento da História da Revolução Constitucionalista de 1932 e a honrar os bravos heróis Soldados Constitucionalistas.












“Esta é a trincheira que não se rendeu:
a que deu à terra o seu suor,
a que deu à terra a sua lágrima,
a que deu à terra o seu sangue!


Esta é a trincheira que não se rendeu:
a que é nossa bandeira gravada no chão,
pelo branco do nosso Ideal,
pelo negro do nosso Luto,
pelo vermelho do nosso Coração.
a que atenta nos vigia,
Esta é a trincheira que não se rendeu:


a que invicta nos defende,
a que eterna nos glorifica!”


Trecho da Oração Ante a Última Trincheira – poesia de Guilherme de Almeida.





Editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário