Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Juventude Constitucionalista e o Soldado Constitucionalista








23 de Maio passou a ser a data consagrada à Juventude Constitucionalista e ao Soldado Constitucionalista em memória aos quatro heróis que morreram nesta data em 1932, em um confronto com a polícia repressiva governista.  Os manifestantes seguiam em passeata pelas ruas centrais de São Paulo, em manifestação contrária à ditadura do governo de Getúlio Vargas e nas imediações da Praça da República tombaram alvejados os heróis Mario Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Souza e Antônio Camargo de Andrade. As iniciais dos nomes dos quatro heróis, MMDC, passou a ser o símbolo da Revolução de 1932.
A morte destes quatro paulistas foi o estopim da revolta do povo paulista contra o governo e a favor de uma Constituição.
 A lei 2.430, de 20 de junho de 2011, inscreveu os nomes de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, o MMDC, heróis paulistas da Revolução Constitucionalista de 1932, no Livro dos Heróis da Pátria.




Comício realizado no dia 23 de maio de 1932.





A passeata nas ruas centrais de São Paulo.



Dados Biográficos dos quatro Heróis da Pátria:

Mario Martins de Almeida nasceu em São Manoel, SP no dia 8 de fevereiro de 1901. Era filho do Cel. Juliano Martins de Almeida e da Sra. Francisca Alves de Almeida eram seus irmãos Sr. João Batista Martins de Almeida, Sr. Juliano Martins de Almeida, Sr. Galeano Martins de Almeida, Sra. Alice Martins de Almeida, Sra. Guiomar Martins de Almeida e Sra. Vera Martins de Almeida.
Foi estudante do Mackenzie College, tendo terminado seus estudos sob a direção do Prof. Alberto Kullmann. Era fazendeiro em Sertãozinho estando, naquele dia em São Paulo, de passagem em visita a seus pais.

Euclides Bueno Miragaia nasceu em São José dos Campos, SP no dia 21 de abril de 1911. Era filho do Sr. José Miragaia e da Sra. Emília Bueno Miragaia. Tinha como irmãos a Sra. Dyonisia Miragaia, Sra Maria Aparecida Miragaia, Sr. Joaquim Bueno Miragaia, Sra Benedicta Bueno Miragaia e Sr. Ivino Bueno Miragaia.
Foi aluno da Escola de Comércio Carlos de Carvalho, de onde passou, no terceiro ano, para a Escola de Comércio Alvares Penteado.
Era auxiliar de Cartório em São Paulo.

Dráusio Marcondes de Souza, o mais jovem. Pouco mais que uma criança. Homem pelo sentimento. Patriota como poucos.
Nasceu em 22 de setembro de 1917 na cidade de São Paulo, filho do Sr. Manuel Octaviano Marcondes de Souza, farmacêutico e da Sra. Ottilia Moreira da Costa Marcondes.
Ferido no dia 23, a despeito dos cuidados de seus pais e parentes, nada foi possível fazer à sua saúde. Em seu leito de dores, animando sua mãe, Dráusio, numa conformação apenas não admirável porque partia de seu espirito heroico, dizia: “Eu estava destinado para este sacrifício. Se mil vidas tivesse, todas elas daria pela nobre causa da libertação da terra que me viu nascer”.
No dia 28 de maio, a uma hora e cinquenta minutos, falecia de uma peritonite.

Antônio Américo de Camargo Andrade, nasceu no dia 3 de dezembro de 1901, em São Paulo, filho do Sr. Nabor de Camargo Andrade e da Sra. Hermelinda Nogueira de Camargo. Era casado com a Sra. Inaiah Teixeira de Camargo e deixou três filhos: Clesio, Yara e Hermelinda, exercia a função de comerciário.
Eram seus irmãos Sr. Cyro de Camargo, Sra. Laura e Sra. Rita de Camargo Sampaio Ferraz.




Notícia veiculada nos jornais da época.





Corrigindo um equívoco histórico.

     Nos registros históricos constam os nomes de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo como os quatro primeiros que tombaram mortalmente feridos no dia 23 de maio de 1932. Um pesquisador, Hely Felisberto Carneiro (médico, nascido em 1932, residente em Sorocaba, SP), em anos de pesquisa descobriu que havia mais um herói que tinha sido mortalmente ferido naquele dia de 23 de maio. Conforme suas informações, um mineiro de Muzambinho, Orlando de ALVARENGA, foi também gravemente ferido no dia 23 de maio, com um tiro de fuzil na coluna lombar que esfacelou sua medula. Socorrido, sofreu 81 dias, falecendo no dia 12 de agosto. O pesquisador agiu para consertar os registros históricos sobre 1932 e conseguiu que em setembro de 1993 a diretoria da Sociedade Veteranos de 1932 - M.M.D.C. reconhecesse a falha dos registros históricos. Assim, baseado em um estudo feito pelo Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba, foi criado o "Colar da Cruz do Alvarenga e dos Heróis Anônimos".
               Como homenagem póstuma ao herói Orlando de Alvarenga, em 28 de abril de 2003 o Prefeito da cidade de Sorocaba, SP, sancionou a Lei nº 6814 designando a Rua nº 1 do Jardim Itapoã como "Orlando de Alvarenga" e em 13 de janeiro de 2004, o Governador do Estado de São Paulo, depois que o pesquisador Hely Felisberto fez o pedido a ele, promulgou a Lei nº 11.658 designando o dia 23 de Maio como "Dia dos Heróis MMDCA" e por Decreto oficializou o "Colar da Cruz do Alvarenga e dos Heróis Anônimos". 



Colar Cruz do Alvarenga e Heróis Anônimos.






Fonte:
capacetesdeacosaovicente.blogspot.com
voluntariosdepiracicaba.blogspot.com.br
blogdaneta.blogspot.com.br
MONTENEGR, B; WEISSHON, A. A. (org) CRUZES PAULISTAS: Os que tombaram em 1932 pela glória de servir São Paulo: Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1936. 516p.






 Editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário