Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Recebimento do DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO INOCÊNCIA CORAGEM E CIVISMO SEMPRE ALERTA!



É com grande honra e orgulho que registro e  compartilho com os amigos, seguidores e leitores o recebimento do Diploma de Honra ao Mérito Inocência Coragem e Civismo Sempre Alerta! Em solenidade realizada pelo 18º Núcleo de Correspondência “Escoteiro Aldo Chioratto que foi realizada nas dependências do Clube dos Agrônomos na cidade de Campinas, SP em 26 de abril de 2014 durante comemorações do Dia do Escoteiro.

Agradeço ao Cb. PM Antonio Carlos Soares, Presidente do 18º Núcleo de Correspondência “Escoteiro Aldo Chioratto” e à comissão organizadora pela indicação de meu nome.





Ofício com a indicação de meu nome. 



                                                                Frente do Diploma.



Verso do Diploma.



                                                                            Foto Maíra Toledo S. Melo

Recebendo o Diploma da Chefe Escoteira Rosemary.

                                                                                  Foto Maíra Toledo S. Melo

Cab. PM Antonio Carlos Soares, Maria Helena T. S. Melo, Sra. Ana Cristina Lazzati, Sra. Rosemary


                                                                               Foto Patricia Afonso Siqueira

Cb. PM Antonio Carlos Soares, Pres. do 18º N.C. Aldo Chioratto, Maria Helena de Toledo S. Melo, Pres.do 10º N.C. Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna, Ana Cristina Lazzati, Pres. do 20º N.C. Heróis Jundiaienses de 32, Sra. Rosemary, Escoteira Chefe, Sr. William Mascarenhas Worth, Comandante do Exército Constitucionalista.





                                                 REGISTRO DA SOLENIDADE. 


A solenidade ocorreu no Acampamento Escoteiro montado em uma área de Bosque existente no Clube dos Agrônomos.


                                                               Fotografias de Maíra Toledo Silveira Melo.






O Acampamento do 19º Distrito Escoteiros de Campinas.












Abertura da solenidade com o hasteamento das bandeiras ao som do Hino Nacional.









O Presidente do 18º N. C. Aldo Chioratto, Cb. PM Antonio Carlos Soares.





                              

























Os agraciados com o Diploma de Honra ao Mérito Inocência Coragem e Civismo Sempre Alerta!

 


Entre as melhores redações a que mais emocionou a Comissão Julgadora foi a da Escoteira Laura Fernanda Carboni Adegas.



Ser escoteiro:

“Um ato de inocência, coragem e civismo”. “Ser escoteiro hoje é dormir apertado em barracas mais sempre com sorriso no rosto. Ser escoteiro hoje é ter o privilégio de viver as melhores aventuras e emoções que nenhuma outra pessoa conseguiria propor. Ser escoteiro hoje é ter uma segunda família disposta a fazer de tudo para você e seus “irmãos”. Ser escoteiro hoje é dar um motivo a mais para a mãe usar OMO. Ser escoteiro hoje é conseguir não viver de miojo quando a mãe sai de casa. Uma pessoa que não foi escoteiro no hoje, não terá boas histórias de aventuras, medos, união e até mesmo histórias engraçadas e aquelas não muito legais de se lembrar para contar aos amigos, filhos e netos no amanhã. Ser escoteiro no amanhã é saber fazer um macarrão com salsicha ou um arroz empapado como ninguém. Ser escoteiro no amanhã é saber costurar suas roupas que rasgão na hora que você vai sair na velocidade da luz. Ser escoteiro no amanhã é saber ser econômico e respeitar o bem alheio, ser bom para animais e plantas e acima de tudo ser amigo e irmão daqueles que mais precisam. Ser escoteiro no amanhã é contribuir para um mundo melhor, sem violência e drogas. Afinal, o que você está esperando para se tornar um escoteiro também??? Que tal perder um sábado de televisão e ganhar um de pura diversão e ensinamentos?? Você não irá se arrepender...”




Sra. Rosemary, Escoteira Laura Fernanda e seu Chefe, durante a leitura da redação de Laura Fernanda.



Cb. PM Antonio Carlos Soares, Escoteira Laura Fernanda Carboni Adegas e Chefe.











Cb PM Antonio Carlos Soares recebendo Diploma de Gratidão da Comissão dos Escoteiros.



As Bandeiras dos grupos de Escoteiros participantes do evento.





Editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.




                                                                 






quarta-feira, 23 de abril de 2014

VENCEDORES DO 2º CONCURSO DE REDAÇÃO "ESCOTEIRO ALDO CHIORATTO"


         Divulgado pelo 18º Núcleo de Correspondência Escoteiro Aldo Chioratto, de Campinas, SP os nomes dos escoteiros, pertencentes ao 19º Distrito Escoteiros de Campinas, vencedores do 2º Concurso de Redação "Escoteiro Aldo Chioratto", com o tema: Ser escoteiro - "Um ato de inocência, coragem e civismo".
          Os escoteiros vencedores o Diploma de Honra ao Mérito Inocência Coragem e Civismo - Sempre Alerta!, assim como seus chefes.

Campinas:
 Grupo de Escoteiro Perola Byington;
 Caio Luís Araújo
 Maria de Fátima Suzuki Sampaio

 Grupo de Escoteiro Jaguaretê;
 Laura Fernanda Carboni Adegas
 Rosemary Peres Motta de Oliveira

 Grupo de Escoteiro Craos;
 Gustavo Cortez Ribeiro Marroni
 Pedro Paulo Carmim de Oliveira


Amparo:
 Grupo de Escoteiro Portal das Águas.
 Guther Wulff Poloni
 Murilo de Oliveira Homem


Valinhos:
 Grupo de Escoteiro Valinhos.
 Felipe Augusto Rocha
 Olga de Fatima Pongilio Urban

 Grupo de Escoteiros Azimute
 Camilla de Aguiar Habib
 Alexandre Vieira Calixto


        Também receberão o Diploma de Honra ao Mérito Inocência Coragem e Civismo Sempre Alerta! as seguintes personalidades:
Cel. Mario Fonseca Ventura - Presidente da Sociedade Veteranos de 32 MMDC;
Sr. Willian Mascarenhas Worth - Comandante do Exército Constitucionalista;
Prof. Jefferson Biajone - Presidente do 1º N. C. de Itapetininga;
Sra. Maria Helena Toledo Silveira Melo - Presidente do 10º N. C. de Jaguariúna;
Prof. João Francisco de Aguiar - Presidente do 12º N. C. de São Pedro;
Cb. Antônio Carlos Soares - Presidente do 18 N. C. de Campinas;
Sra. Ana Cristina Lazzati - Presidente do 20º N. C. de Jundiaí;
Sr.  Celso Roberto Panzani - Presidente do Clube dos Agrônomos;
Sr. Ronaldo Severiano Berton - Vice-Presidente do Clube dos Agrônomos;
Sra.  Rosilene da Silva Barboza - Coordenadora do Ramo Escoteiro no 19º Distrito Escoteiro Campinas;
Sr. Sidnei Lobo Pedroso - Presidente do Núcleo de Desenvolvimento e Expansão da Sociedade Veteranos de 32 MMDC;
Sr.  Rafael Cambuí Mesquita Santos - Presidente do Núcleo Base - MMDC Campinas;

A entrega dos Diplomas será realizada no Clube dos Agrônomos de Campinas, sito a Rua Eleutério Rodrigues, 64. Vila Nova, em 26 de abril de 2014 às 08:30 h.















Publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.









quarta-feira, 16 de abril de 2014

Mensagem de Páscoa




Páscoa é ressurreição...
Ressurreição é passagem, mudança.
É renascer, sair do lugar, sair da rotina.
É transformação, renovação.
Páscoa é amor!





O Núcleo de Correspondência “Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna” deseja a todos uma Feliz Páscoa!




                                                                                                                       spederson.r.zanchetta



PAULISTA!!!
 LEMBRA-TE DE 32.



Editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

A CIÊNCIA NA REVOLUÇÃO DE 1932.



Na Revolução Constitucionalista de 1932, pesquisadores da Escola Politécnica de São Paulo desenvolveram, durante os meses de combates, máquinas e armas que em várias ocasiões chegaram a igualar as Forças Paulistas às Forças do Governo e em alguns eventos até superou a parte contrária.
Jovens líderes de 32 assumiram “atitudes revolucionárias” e se propuseram a converter a emergente indústria paulista e os laboratórios da Escola Politécnica (LEM) em fábricas de armamentos.
A coragem e o empenho de alunos e professores da Politécnica e de inúmeros voluntários, que colocaram a criatividade em ação, onde sobrava perigo e faltava matéria prima, essas ações, foram descritas em diversos relatos da época.
A Escola Politécnica, e todos seus laboratórios, foram requisitados pelo governo paulista para constituir o Serviço de Engenharia da Força Pública. No dia 10 de julho, atendendo ao clamor do Movimento, a congregação e todo o corpo técnico da Escola Politécnica manifestaram total apoio.
Com a dificuldade de obtenção de matéria prima e a necessidade de dar início imediato à produção, os engenheiros, do Laboratório de Ensaios e Materiais desenvolveram vários armamentos, muitos deles sofisticados para a época, e difíceis de serem encontrados no Exército Brasileiro, contra quem combatiam.
Os engenheiro do LEM foram responsáveis pelo estudo, projeto e execução de periscópios de trincheira, corretores de tiros para metralhadoras antiaéreas, telêmetros e binóculos milimetrados para artilharia. Além disso foram realizados ensaios para chapa de blindagem, capacetes, morteiros de trincheiras e também para munições e granadas.
A granada de mão adotada foi a do tipo MILL’S foi adaptada às condições de produção que o LEM dispunha, foi também criado um bocal apropriado para que a distância de alcance passasse de 30 m para 180 m,a granada de mão era conhecida entre os soldados como “abacaxizinhos”.
Foi criada uma Escola de Granadeiros para que os soldados pudessem usar a arma sem risco de vida.
Ainda, sob a orientação da Escola Politécnica foram construídos trens e uma lancha blindados. Foi também criado um modelo mais leve e com maior mobilidade de carro blindado.
Outros artefatos desenvolvidos ou adaptados pelo LEM foram: morteiros, canhões de pequeno alcance, projétil de explosão para percussão, bombas para aviões, bombas de fumaça, controles de munição, lança chamas, munições para fuzis e metralhadoras, materiais para trincheiras, lança minas, capacetes, carregadores de água e filtros para cantis e também mascaras de proteção anti-gases. Alguns artigos foram fabricados na Politécnica e outros em fábricas do estado de São Paulo, concentradas no esforço de guerra.
A união entre a Escola Politécnica de São Paulo e a emergente Industria Paulista, durante a Revolução de 1932, foi decisiva para a futura criação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT – USP), até hoje referência na tecnologia dos setores industriais mais avançados do país.


A seguir algumas imagens de materiais bélicos produzidos durante a Revolução de 1932.





Linha de produção de armamentos do LEM.





Barco de guerra navegando no Rio Tiête.





Minas marítimas fabricadas em São Paulo.





Produção de capacetes de aço.





Metralhadora antiaérea.





Lança granadas.




Trem blindado.




Granadas de mão, " abacaxizinhos".







Fonte.

 Guerra e Ciência disponível em http://www.comciencia.br/reportagens/guerra 11.htm acesso em 15 de agosto de 2013.

São Paulo, 1932: tecnologia a serviço da Revolução disponível em http://netleland.net/hsampa/epopeia1932/rev32.html acesso em 15 de agosto de 2013.


Fonte das imagens.

www.uol.com.br.
www.novomilenio.inf.br.
peregrinacultural.wordpress
estadao.com.br



Texto adaptado, editado e publicado por Maria Helena de Toledo Silveira Melo.