Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

NOTÍCIAS MILITARES em 1932.


As imagens que se seguem são originais, fiz uma coletânea das notícias militares desta edição publicada em 18 de agosto de 1932.


















Jornal das Trincheiras

            O jornal foi publicado durante a Revolução Constitucionalista de 1932. A coleção completa compõe-se de treze números, produzidos pela Liga de Defesa Paulista (LDP), no período de 14 de agosto a 25 de setembro de 1932.



Fonte.
http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/9119.Acesso em 31 de mai.de 2013.

Imagens.
Arquivo Particular.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Nota de falecimento do Sr. Alfredo de Souza



O voluntário da Revolução de 32, Sr. Alfredo de Souza, faleceu em Jaguariúna, SP, em 21 de maio de 2013, com 99 anos de idade.

O Sr. Alfredo era filho do Sr. José de Souza e da Sra. Mariana Bodini de Souza e nasceu na Vila Jaguary (atual Jaguariúna) em 14 de abril de 1914.

Alistou-se como voluntário no Batalhão 23 de Maio em Amparo, de onde seguiu para a batalha em trem blindado.

Foi um valoroso soldado da Revolução Constitucionalista, homem íntegro, honrado e muito querido em sua cidade.


A biografia do Sr. Alfredo de Souza pode ser visualizada no link a seguir      http://mmdcjaguariuna.blogspot.com.br/2012/09/encontrado-outro-voluntario-de.html

quinta-feira, 23 de maio de 2013

23 de Maio de 1932


Dia da Juventude Constitucionalista.





Cartão-postal em homenagem ao M.M.D.C., com as inscrições em latim:
Dulce et decorum est pro patria mori  (“É doce e honrado morrer pela pátria”),
Pro brasilia fiant eximia  (“Pelo Brasil faça-se o melhor” ),
 Non ducor, duco  (“Não sou conduzido, conduzo”) e
In Hoc Signo Vinces  ("Com este sinal vencerás")







M.M.D.C.



“23 de Maio de 1932! A cidade estava eletrizada. Sentia-se, na estranha magnificência daquela tarde de sol, que uma força nova palpitava, animando todos os corações para algo inédito cometimento. Os olhares de todos se cruzavam em intimas interrogações. Nas sacadas rostos ansiosos perscrutavam, de instante a instante, o burburinho das ruas. Os homens se procuravam. Uma vontade mutua de servir os aproximava. Trocavam-se impressões.
Dezessete horas... Dezessete e meia... Dezoito horas... Talvez um pouco mais, talvez... Uma voz límpida e forte entoou as primeiras notas do Hino Brasileiro. Foi o rastilho. Outras se fizeram ouvir. Milhares de vozes acompanharam o cantor anônimo. O povo falava enfim. A multidão, irresistivelmente, caminhou para a praça, que tem sido o coração cívico de São Paulo – a Praça do Patriarca, em cujo lampadário parece brilhar o espirito e a coragem de José Bonifácio.
Na exaltação do instante magnifico, em que se rompia o amálgama triturante da nossa liberdade, os manifestantes não mediram o seu entusiasmo e atiraram-se, com simplicidade dos heróis, à represália contra os fracos paulistas que haviam cedido à tentação de aquecer-se ao calor do poder.
Verificou-se o ataque. Tentava-se extinguir, até pela violência, a sede do partido politico que apoiava o interventor federal de então. Seus adeptos reagiram. Tiros partiram de todos os lados. E quatro vidas moças, algumas recém-abertas para o mundo, tombaram no gramado e no lagedo da Praça da Republica, sacrificadas à vontade paulista de retomar a direção de seus negócios. Mais tarde, outra vida, ferida naquele anoitecer agitado de 23 de maio, veio somar-se às quatro primeiras.
Assim morreram Mario Martins de Almeida, Euclides Bueno Miragaia, Drausio Marcondes de Souza, Antonio Americo de Camargo Andrade e Orlando de Oliveira Alvarenga.
Das iniciais dos quatro primeiros formou-se o símbolo: “M.M.D.C.”, que na guerra de 32 foi a alma forte que levou, intemeratamente, desde o primeiro instante, toda a mocidade paulista para os campos de batalha.
A história do heroísmo desses bravos e a significação de sua morte, não é preciso escrever: o coração paulista, cioso de suas glórias, transmitirá, de geração em geração, como um culto, o ideal de seu valor.
“M.M.D.C.” será, para todo sempre, o retrato do brio e da dignidade paulista!”


Texto transcrito do Livro Cruzes Paulistas.



Única foto em que os heróis estão identificados.


Os restos mortais dos manifestantes estão sepultados no mausoléu do Obelisco do Ibirapuera, em São Paulo.




Cartaz, da época, convocando voluntários para guerra.






A lei 2.430, de 20 de junho de 2011, inscreveu os nomes de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, o MMDC, heróis paulistas da Revolução Constitucionalista de 1932, no Livro dos Heróis da Pátria.




Fontes de consulta.


http://pt.wikipedia.org/wiki/MMDC, acesso em 21de maio de 2013.




Fotos.

elaine_dentroprafora.blogspot.com

redes.moderna.com.br

neitessari.wordpress.com

pt.wikipedia.org

desmanipulador.blogspot.com









segunda-feira, 20 de maio de 2013

Solenidade conjunta entre os Núcleos de Correspondência das cidades de Piracicaba e São Pedro, alusiva ao Dia Da Juventude Constitucionalista com outorga de Medalhas MMDC.



Núcleo de Correspondência “Voluntários Paulistas de Piracicaba” – Presidente Edson Rontani Junior.

Sr. Egydio João Tisiani, TenentePM, historiador e Conselheiro do Núcleo de Correspondência "Voluntários Paulistas de Piracicaba, Anna Thereza Prado de Almeda Carvalho, Vice-Presidente, Edson Rontani Junior, Presidente.


Ao microfone, dando início a Solenidade o Sr. Edson Rontani Junior.
A mesa foi composta por:
 Sr.Amado Rubio,Comandante do Exercito Constitucionalista; Sr. Tarcísio Ângelo Mascarim, Presidente do SIMESPI; Sr Sérgio Olímpio, Major PM e Deputado Estadual; Cel. Mario Fonseca Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32; Major PM Marcos Fernandes, Comandante do 10 BPM-I; Sr. João Manoel dos Santos, Presidente da Câmara Municipal de Piracicaba; Prof. João Francisco de Aguiar, Presidente do NC "São Pedro por São Paulo".

          Publico, personalidades presentes e agraciados com a Medalha MMDC.

Entre as personalidades que foram agraciadas Sr. Egydio João Tisiani ao lado de sua esposa Sra Helena Bicudo Tisiani a frente Dr. Luiz Antonio da Silveira Melo, meu marido e  ao meu lado Sr. Pedro Cruz, Vereador e Secretário Municipal do Desenvolvimento Econômico da cidade de Piracicaba.

Momento em que o Cel. Mario Fonseca Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32 - MMDC fazia seu discurso.


              


 Sr. Egydio João Tisiani recebendo a Medalha MMDC e os cumprimentos do Cel. Mario Fonseca Ventura.


Prof. João Francisco de Aguiar recebendo a Medalha MMDC pelo Cel. Mario Fonseca Ventura.




                            Eu, Maria Helena recebendo a Medalha MMDC pelo Prof. João Francisco de Aguiar.



Anna Thereza Prado de Almeida Carvalho recebendo sua  MedalhaMMDC pelo Cel. Mario Fonseca Ventura.


Maria Helena,Cel Mario Fonseca Ventura, Sr. Egydio João Tisiani e Sr. Edson Rontani Junior.


                              Maria Helena, Cel. Mario Fonseca Ventura e Sr. Egydio João Tisiani.




Momento em que o Sr. Edson Rontani Junior, Jornalista e Presidente do Núcleo de Correspondência "Voluntários Paulistas de Piracicaba" recebe das mãos  do Sr. Pedro Cruz o troféu Nhô Quim, mascote do time de futebol XV de Piracicacaba.



                            Sr. João Manoel dos Santos, Sr Edson Rontani Junior e Sr. Pedro Cruz.






Núcleo de Correspondência “São Pedro por São Paulo” – Presidente Prof. João Francisco de Aguiar.


                 A Solenidade foi realizada no Museu Gustavo Teixeira na cidade de São Pedro.




O Prof. João Francisco de Aguiar iniciando a sessão solene de outorga de Medalhas MMDC acompanhado na mesa pelo Cel. Mario Fonseca Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32 e pelo Sr. Amado Rubio, Comandante do Exercito Constitucionalista.





            O Hino Nacional cantado pela Profª Ana acompanhada pela Profª Sandra Golinelli.


                      O Sr. Hélio Donizete Zanata, prefeito de São Pedro recebendo a Medalha MMDC.





Sr. Edson Rontani Junior, Presidente do Núcleo de Correspondência "Voluntários Paulistas de Piracicaba" recebendo a Medalha MMDC.


Maria do Carmo Mendes de Andrade e Souza e Maria Aparecida Fracasse Barros, Vice-Presidentes do Núcleo de Correspondência "São Pedro por São Paulo" no momento em que declamavam a poesia "Nossa Bandeira" de Guilherme de Almeida.



Prof. Aldo Nunes encerrando a Solenidade.




                                   Os agraciados com a Medalha MMDC.



Fotos:
Antonio Carlos Aristides, 
Maria Helena de Toledo Silveira Melo e 
MMDC Piracicaba.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

MEDALHA MMDC





 Em solenidade alusiva ao Dia da Juventude Constitucionalista, houve a outorga de Medalhas MMDC pela Sociedade Veteranos de 32 a personalidades que se destacaram pela atuação no resgate e difusão da História em prol da memória da Revolução Constitucionalista. O evento, que foi realizado pelo Núcleo de Correspondência Voluntários Paulistas de Piracicaba, ocorreu nas dependências do Armazém da Cultura “Maria Dirce de Almeida Camargo”, localizado na Estação da Paulista, na cidade de  Piracicaba, SP.


                                                                                                                                                            M.H.T.S.Melo





Recebimento da Medalha MMDC


                                                                                                                       L.A.S.Melo


                                                                                                                      A.C.Aristides


Maria Helena, Presidente do Núcleo de Correspondência Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna recebendo a Medalha MMDC pelo Prof. João Francisco de Aguiar, Presidente do Núcleo de Correspondência “São Pedro por São Paulo” auxiliado pela Vice-Presidente do Núcleo de Correspondência Voluntários Paulistas de Piracicaba, Anna Thereza Prado de Almeida Carvalho.



                                                                                                                        L.A.S.Melo

Maria Helena, Cel. Mario Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC e Sr. João Egydio Tisiani, Tenente PM, Historiador e Conselheiro do Núcleo de Correspondência Voluntários Paulistas de Piracicaba.



                                                                                                                     A.C.Aristides

Sr. Amado Rubio, Comandante do Exército Constitucionalista, Prof. João Francisco de Aguiar, Presidente do Núcleo de Correspondência “São Pedro por São Paulo”, Major PM Marcos Fernandes, Comandante do 10 BPM-I, Maria Helena de Toledo Silveira Melo, Presidente do Núcleo de Correspondência “Trincheiras Paulistas de 32 de Jaguariúna”, Cel. Mario Ventura, Presidente da Sociedade Veteranos de 32 – MMDC, Major PM Sérgio Olímpio Gomes, Deputado Estadual e  Major PM Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes.


                                                                                                                                                               A.C.Aristides

                               Publico e personalidades presentes na Solenidade.







Medalha MMDC



                                                                                                                    M.H.T.S.Melo
 Conjunto das Medalhas.


                                                                                                                    M.H.T.S.Melo


Frente da Medalha MMDC.




                                                                                                                    M.H.T.S.Melo


Verso da Medalha MMDC.



A Medalha MMDC foi criada pelo Decreto Estadual n° 40087 de 14 de maio de 1962.




Dedicatória
Dedico esta Medalha a todos Voluntários da Revolução Constitucionalista de 1932 e em particular aos Voluntários de São Pedro, que em sua maioria fizeram parte do Batalhão Piracicabano, do qual meu pai, Joaquim Norberto de Toledo Junior também fazia parte.





A ESTAÇÃO DA PAULISTA


                                                                                                                    M.H.T.S.Melo
Plataforma da Estação Ferroviária  Paulista, Piracicaba – SP


                                                                                                                    M.H.T.S.Melo

Plataforma da Estação Ferroviária Paulista, Piracicaba – SP


                                                                                                                     M.H.T.S.Melo



Participaram da Revolução Constitucionalista de 1932 cerca de 800 voluntários de Piracicaba e muitos deles partiram da Estação Ferroviária Paulista em Piracicaba, SP,  em direção à Capital de São Paulo,  de onde seguiram  para os campos de batalha.



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Os últimos combates no setor Jaguary





Baseado nos noticiários da época e evocando o espírito paulista de 32, segue um pequeno resumo dos acontecimentos na Zona Mogiana, setor Jaguary.
Em oito de setembro os ditatoriais avançaram em Mogi Mirim. Houve combates encarniçados. No dia 10, em Amparo, as forças do Catete foram violentamente atacadas.
As tropas do Catete atacaram cerradamente toda Zona Mogiana em 13 de setembro. Houve um fortíssimo contra ataque dos constitucionalistas no dia 14. Os ditatoriais recuaram para Minas nas cidades de Guaxupé, Arceburgo e Guaranésia.
As tropas ditatoriais bombardearam duramente as cidades de Campinas e Jundiaí no dia 15, para causar pânico na população civil e novamente no dia 18 outro duro bombardeio atingiu Campinas. Os paulistas avançaram em direção a Amparo.
Já quase sem munições, os paulistas empregaram estratégias militares e conseguiram deter o avanço dos ditatoriais à cidade de Amparo, em 20 de setembro.
Novamente Campinas e outras cidades foram duramente bombardeadas. Aviadores paulistas, revoltados, atacaram o campo de pouso dos aviões da ditadura, destruindo os aviões que bombardearam a cidade de Campinas.
Em 24 de setembro os ditatoriais avançaram em Amparo. Foi impressionante a bravura dos defensores da lei: morreram mas não recuaram. Em uma dedicação suprema, as tropas paulistas conseguiram deter o avanço do inimigo no dia 25.
Enquanto isto, o Coronel Herculano de Carvalho concluiu suas negociações como General Góis Monteiro.
No dia 26 os ditatoriais lançaram mão dos últimos recursos para forçar as linhas dos redutos constitucionalista no setor Jaguary. As tropas concentradas no setor Jaguary/Amparo assumiram cada vez mais um caráter decisivo.
Os reforços recebidos e o aparelhamento bélico tornaram impossível qualquer avanço do adversário com o objetivo máximo de apoderar-se do mais importante centro ferroviário do estado, que era sem dúvida, a cidade de Campinas, relataram os jornais da época.
A zona de operações do setor Jaguary apresentava-se cheia de acidentes naturais o que fez com que os comandantes das Forças Constitucionalistas aproveitassem esse aspecto peculiar da região para uma defesa inteligentemente distribuída e firme em toda linha de combate.
Como armas de guerra as bombardas prestaram relevantes serviços em diversos combates. Numa luta travada no setor marginal do rio Jaguari, a Cia de Bombardas  desempenhou um brilhante papel, quando os ditatoriais foram severamente bombardeados e repelidos, sofrendo inúmeras baixas, abandonando suas trincheiras desmanteladas.
Em 27 de setembro todas as forças paulistas estavam com o mesmo entusiasmo inicial.
Finalmente em 28 de setembro de 1932 o Cel. Herculano de Carvalho revelou suas negociações com o Gal. Góis Monteiro. Cessou-se a luta.



Fonte de consulta.
http//:www.novomilenio.inf.br/1932sp41.htm
http//:www.arquivoestado.sp.gov.br




Combatentes na região de Campinas.





Fonte da imagem.
http://1932,comunidades.net