Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

A CIDADE DE PEDREIRA E A REVOLUÇÃO DE 1932



A CIDADE

Pedreira nasceu do sonho de um homem, o Cel. João Pedro de Godoy Moreira, que em 1887 resolveu transformar sua fazenda em uma cidade.
Em 1890 a Vila tornou-se Distrito Policial, em 1892 em Capela Curada e posteriormente em Distrito de Paz e Freguesia. Finalmente, em 31 de outubro de 1896 tornou-se Município. No local existia o Bairro dos Pedros, derivando, daí, o nome Pedreira.
O município encontra-se encravado na zona Cristalina do Norte do Estado de São Paulo, na Micro Região da Estâncias Hidrominerais Paulistas, tendo por limite Amparo, Campinas, Jaguariúna e Morungaba.
Pedreira situa-se a 33 km de Campinas, aproximadamente a 13 km de Jaguariúna e a 12 km de Amparo.


                              
                                Cidade de Pedreira em 1939.


                                                                                                                         MHTSMelo                                                                                                 
                                Vista parcial da cidade de Pedreira em 2013.  



Fontes das informações:       
                                                                                                                                                             
http://www.pedreira.sp.gov.br/( Adílson Spagiari – Museu Histórico e da Porcelana de Pedreira)
 http://www.igc.sp.gov.br/produtos/galeria_aerofotos.aspx



A Revolução


Devido à sua localização na Serra da Mantiqueira, Pedreira foi um dos últimos locais onde os Soldados Constitucionalistas se estabeleceram e montaram suas trincheiras.
No Morro do Cristo foram abertas trincheiras pelos soldados, entre eles os pedreirenses Arnaldo Rossi, Edu Rossi e Guilherme Filipini, que lutaram junto ao Batalhão 23 de Maio. Nesse morro, ainda há valas das trincheiras e também um monumento em homenagem aos combatentes pedreirenses, como pode-se ver adiante em “Visita ao Morro do Cristo”.
Os combatentes de Pedreira provavelmente estiveram sob o comando do Monsenhor Luiz Fernandes de Abreu, que foi oficial de ligação do Batalhão 23 de Maio. Ele lutou de parabellum em punho e foi aprisionado em Amparo em 18 de setembro, ficando preso por cinco meses na Ilha das Flores, RJ.

O Diário Oficial de 19 de setembro de 1932 registrou que o tenente Carlos Berenhauser, chefe do serviço de Publicidade da 4ª Divisão de Infantaria, recebeu do Serviço de Publicidade da Imprensa Nacional, o telegrama que se segue, transcrito do Diário Oficial da União, de 19/09/1932 p.39, seção 1.

“Itapira,16 – Urgente – O Estado  Maior da 4ª Divisão de Infantaria informa: na frente geral de Campinas o destacamento do coronel Dutra consolidou a conquista da localidade de Pedreira, a doze quilômetros a oeste de Amparo. Nos eixos da via férrea e da rodovia Mogi-Mirim – Campinas, o adversário que, na véspera, se retirara apressadamente para o sul do rio Camanducaia, não mais voltou, mantendo-se também inativo nos demais pontos da frente. Nos outros setores da 4ª Divisão nada houve de notável nas últimas vinte e quatro horas. Um avião inimigo bombardeou, hontem, Pedreira e Amparo, com fracos resultados. Nossos aviões de caça mandados em seu encalço não mais conseguiram encontra-lo.”

Nota-se neste telegrama a confirmação da participação efetiva da cidade de Pedreira na Revolução Constitucionalista.


Fontes das informações:

JJ Jornal de Jaguariúna, sábado,21 de julho de 2012.
http://www.jusbrasil.com.br/diarios/2243636/dou-secao-1-19-09-1932-pg-39



Visita ao Morro do Cristo em Pedreira


                                                                                                                    MHTSMelo
 Portal que dá acesso ao cume do Morro do Cristo.


                                                                                                                                                                                                                       
                                                                                                                                                                  MHTSMelo  
                                        
Monumento alusivo ao Movimento Constitucionalista.
Trincheiras foram cavadas nessa região e nesta foto vê-se uma vala atrás do Monumento, a qual pode ter sido uma delas.
                                         

 
                                                                                                                                                             MHTSMelo 

                                 Vala que provavelmente foi uma trincheira.


                                                                                                                                                                MTSMelo


                                                                                                                        MHTSMelo 
   
                                                                                                                                                           
                                                                                                                                                                            MHTSMelo                                                                                                                                                                                                                         


                                                                                                            MHTSMelo
                                                                                                                                                   
  Do local onde está o Monumento, avista-se o topo do Morro onde encontra-se a
estátua de Cristo, conforme mostra a foto.

                                                                                                                                                             MHTSMelo

                                              Do alto do morro, vista na direção de Amparo.




O Museu e a Revolução


O Museu Histórico e da Porcelana de Pedreira, todos os anos, durante o mês de julho, faz uma homenagem aos Revolucionários de 1932 com uma exposição com peças de seu  próprio acervo.




                                                                                                                                          www.classelider.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário