Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Heróis esquecidos da Revolução de 1932





"Suplemento Comemorativo ao 9 de julho".

 Publicado em 9 de julho de 1957 pelo Jornal "O Comércio" de Amparo, SP no 25º aniversário da Revolução Constitucionalista.


Disponível em http://www.arquivoestado.sp.gov.br/exposicao_1932/pdf/BR_APESP_O COM_09071_001_024.pdf. Acesso em 22/02/2013.



JOÃO CAPISTRANO DOS SANTOS (Força Pública)
 
Sargento do Centro de Instrução Militar da Força Pública, sob o comando do Tenente Coronel Manuel Marinho Sobrinho, João Capistrano dos Santos foi destacado para o setor Norte, onde se demonstrou o eficiente militar que era. Depois de tomar parte, incolume, em vários combates, foi ferido gravemente. Morreu no dia 23 de setembro, na "Fazenda Jararaca", em Engenheiro Neiva. Foi sepultado no cemitério de Guaratinguetá.
Nasceu no Estado da Bahia, no ano e 1891, filho do Sr. Benedicto Capistrano dos Santos e da Sra. Adriana Maria da Conceição. Casado
 
Dados Biográficos obtidos no Livro CRUZES PAULISTAS.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

UM GENERAL DA FORÇA PÚBLICA *




Luiz Antonio Silveira Melo

Na Força Pública a patente mais elevada era a de Coronel. Entretanto, durante o período da Revolução de 1932, um fato curioso ocorreu.
Julio Marcondes Salgado, na fase pré-revolução, era Tenente- Coronel da Força Pública do Estado de São Paulo. Por seus grandes feitos, o interventor Pedro de Toledo promoveu-o a Coronel, com a missão de comandar a Força Pública.
Esse valente militar foi um incansável lutador no preparo da ofensiva e fez tudo que lhe era possível para que o movimento constitucionalista tivesse todas as garantias de vitória.
Iniciada a luta, o Coronel desdobrou-se em ações e colaborou na organização dos batalhões de voluntários e de tantos que eram, em pouco tempo faltaram armas para poderem encaminhar-se às trincheiras.
Em 23 de julho, segundo sábado da Revolução, o Quartel General das Forças Constitucionalistas fez um comunicado: “sofremos esta manhã uma grande perda que não arrefecerá nossos ânimos mas que indubitavelmente causará às tropas e aos civis profundo pesar”.
Essa perda foi do bravo Coronel Júlio Marcondes Salgado. Ele não caiu vitimado pelos adversários, mas por um desastre deplorável, durante experiências com um novo tipo de morteiro. Após vários testes com êxito, uma das granadas explodiu dentro do tubo e um dos estilhaços atingiu Marcondes Salgado no pescoço, seccionando-lhe a carótida. O bravo Coronel caiu morto instantaneamente.
São Paulo ficou privado de uma das figuras militares mais representativas da Revolução e assim o Governador Pedro de Toledo baixou uma resolução, cujo decreto 5.602, de 23 de julho de 1932, promovia ao posto de GENERAL Comandante da Força Pública do Estado de São Paulo, o Coronel Júlio Marcondes Salgado.
Dessa forma, o decreto criou, na Força Pública, o posto de General, até então inexistente! 





Júlio Marcondes Salgado nasceu em Pindamonhangaba a 1º de julho de 1890. Ingressou na Força Pública em 1907, galgando postos à custa de estudo e força de vontade. Exímio cavaleiro, conquistou varias taças e bronzes de valia, tendo sido condecorado pelo Rei Alberto, da Bélgica. Em 1924 e 1930 teve atuação destacada nos movimentos revolucionários, ao lado das autoridades constituídas. Em 1932 foi um dos conspiradores para a Revolução Constitucionalista.

*  Dados extraídos do livro Cruzes Paulistas,  p.25 – 28.


Para maiores informações sobre o General Júlio Marcondes Salgado, acessar tudoporsaopaulo1932.blogspot.com.br/2011/06/general-julio-marcondes-salgado.html