Objetiva-se publicar biografias, histórias de vida e de batalhas relativas à Revolução de 1932. Caso saiba de algo, entre em contato. Para maiores informações envie mensagem à malusim53@yahoo.com.br.

domingo, 26 de agosto de 2012

Soldado sepultado em Jaguariúna - parte 2


 
O senhor Pedro Abrucês  contou -me,  em agosto de 2012, que  em 1932  próximo à Turma 5 da linha do trem aconteceu um assassinato. Ele, na época com 7 anos, estava à cerca de 1Km do local, na Turma 7 da linha  tronco, quando ouviu um tiro. No dia seguinte, em suas andanças, viu um cortejo com um corpo sendo levado na carroceria de um caminhão, coberto com uma folha de zinco, vendo-se somente o pé da pessoa, o qual estava calçado com uma botina de soldado. Foi enterrado no cemitério local.

 O senhor Pedro narrou em seu livro (Abrucês, 2011), que um amigo, o senhor Manoel Rodrigues Seixas, na época com 5 anos, filho do senhor Seixas, feitor da turma de conservação das linhas férreas ,  morava na conhecida Turma 5 da linha tronco. Ele lhe contou que um soldado militarmente equipado com fuzil e apetrechos complementares, foi acolhido por seu pai e que, após saciar a fome, saiu no momento em que chegaram dois homens à paisana que começaram a conversar com o soldado.  Inesperadamente os homens apoderaram-se de sua arma, matando-o com um tiro. O senhor Manoel disse ainda, que naquele momento ele e a irmã estavam tirando açúcar mascavo de uma lata, escondidos do pai e ouviram um estampido. Questionado pelo senhor Pedro, o senhor Manoel, disse que seu pai achava que o soldado pertencia às Forças Paulistas.   Seu pai então colocou o soldado no trole e transportou-o à estação ferroviária de Jaguary.

Passados 16 anos, em 1948, conversando com um coveiro, o senhor Pedro soube que o mesmo encontrou no cemitério um cadáver em uma sepultura sem caixão, coberto com uma folha de zinco e que levou os restos mortais para o ossuário. Ligando os fatos, concluiu que poderia ser aquele soldado assassinado em 1932.

Posteriormente, lendo o livro Cruzes Paulistas, o senhor Pedro deparou-se com o nome de um soldado desaparecido em Jaguary, de nome Firmiano Cardoso, soldado da Força Pública, chegando finalmente a conclusão de que seria ele o soldado assassinado.

 Referência:
Abrucês, P. Reminiscências de Pedro Abrucês. São José dos Campos, SP, JAC Gráfica e Editora, 1 2011,112p.

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário